Seu intestino é irritável? – Jornal da Comunidade- 25/07/09

Dietas regulares, exercícios físicos e ritmo de vida regrado podem ajudar a amenizar a doença funcional que atinge milhões de mulheres entre 30 e 50 anos A síndrome do intestino irritável é considerada uma das principais desordens digestivas do mundo. A doença acomete mais de um milhão de pessoas – sendo 10% da população brasileira – e caracteriza-se por ser um distúrbio funcional, ou seja, que não apresenta lesão, mas causa muito desconforto. “Ainda não identificou-se qualquer alteração orgânica nos pacientes. A denominação irritável caracteriza um intestino muito responsivo para situações completamente normais”, explica o presidente da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva, Flávio Antonio Quílici. Assim como outras doenças funcionais, a síndrome não tem substrato estrutural ou bioquímico conhecido. Dessa forma, segundo o gastroenterologista Eduardo Vaz de Castro, exames de sangue ou de imagem geralmente tem dados normais. “Apesar do grande incômodo, todos os exames obtidos possuem resultados regulares e não oferecem risco”, afirma ele, também membro da Sociedade Brasileira de Coloproctologia. Para Quílici, o motivo da patologia pode estar diretamente ligada aos mediadores viscerais, como a serotonina. “Sabe-se, no entanto, que fatores psicológicos, nutricionais, químicos e endócrinos, agem como desencadeantes ou agravantes”, alerta o médico. De acordo com ele, estudos comprovam que pessoas atingidas pela doença tem três vezes mais chances de usar antidepressivos e são nove vezes mais consumidoras de antiácidos. Quadro clínico
Os indícios da síndrome tornaram-se tão comuns no mundo ocidental, que a maioria das pessoas sofrem em silêncio. Dados da Organização Mundial de Gastroenterologia apontam que 90% dos pacientes não buscam cuidados médicos. A gastroenterologista Ana Maria Alves Soares, afirma que, em algum momento da vida, as pessoas podem ter a doença. “O mal não se constitui num estado permanente nos indivíduos”. De acordo com Eduardo Vaz de Castro, o diagnóstico da síndrome do intestino irritável é feito por meio da história minuciosa do paciente, no qual se avalia a presença de sinais, como distensão ou dor abdominal, constipação, sensação de evacuação incompleta e muco nas fezes. Esses sintomas, conforme ele, são, em geral, crônicos e recorrentes, podendo ter intensidade variável. “Assim, não há possibilidade de prevenção, o que se agrava com o estresse e a ingestão de alguns alimentos”, observa.

O médico acrescenta que, muitas vezes, é necessária a realização de exames complementares para excluir outras doenças que apresentam quadro clínico semelhante, como câncer de intestino, doenças da tireoide ou inflamatórias digestivas, além de intolerância à lactose ou glúten. Dieta e remédios
As mulheres com idade entre 30 e 50 anos são as que mais sofrem com a síndrome. O gastroenterologista Flávio Ejima atribui o fato às dietas irregulares, ao estilo de vida intenso e à falta de exercícios físicos. “Não são causas reconhecidas, mas afetam o organismo das pessoas”. O impacto da síndrome na vida do indivíduo traz um sério problema na qualidade de vida, prejudicando atividades diárias e o desempenho geral. “O que mais cai é a produtividade”, completa.
Para o tratamento, Flávio Quílici explica que é feita uma avaliação de alterações psicossociais com dieta e medicamentos. Na abordagem dietética,  faz-se uma análise entre o alimento e o comportamento do intestino. “A reatividade intestinal está relacionada aos alimentos em geral e não a qualquer substância específica”. Com relação a medicamentos, ainda não existe um tratamento específico. “O uso de remédios se dá para aliviar os sintomas, considerando sua frequência e intensidade”. Ejima não recomenda a automedicação, uma vez que o quadro clínico pode piorar. Outro erro muito recorrente, de acordo com ele, é aumentar demasiadamente a ingestão de fibras. “Os alimentos ricos em fibras têm uma função importante no aparelho digestivo, controlando seus movimentos peristálticos e facilitando a digestão. Mas, em excesso, também apresentam riscos. Se você come muita fibra e não toma bastante líquido, a digestão fica mais vagarosa”, alerta.
A terapeuta Lúcia Teixeira indica tratamento ortomolecular para amenizar a doença. Para ela, pessoas com a suspeita da síndrome precisam fazer um registro diário do que é consumido. “Diagnóstico eficiente e efetivo”
 
A Danone realizou uma pesquisa em 15 países, avaliando 9,7 mil mulheres com idade entre 18 e 70 anos. O estudo abordou vários assuntos relacionados ao desconforto digestivo, como inchaço ou dor, hábitos alimentares e tensão. Além disso, foi analisado o impacto dos sintomas no cotidiano das pessoas, como preveni-los ou tratá-los e quais produtos e técnicas podem ser usadas para combatê-los. “É uma pesquisa relevante, um esboço do que pode ser feito para um diagnóstico eficiente e efetivo. Ela revisa e discute perspectivas atuais e futuras no tratamento da síndrome”, afirma o presidente da Federação Brasileira de Gastroenterologia, Jaime Natan Eisig. Para Eisig, o uso de probióticos nos alimentos pode ajudar a restabelecer a microflora intestinal e, assim, reduzir os sintomas da síndrome do intestino irritável. Segundo a Organização de Agricultura e Alimentação, os probióticos são micro-organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, promovem um grande benefício à saúde. São encontrados em alimentos como iogurte e leite fermentado e não existem restrições para o seu consumo. Colaborou a estagiária Karine Sousa

Confira aqui a matéria publicada

  

]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Conforto em primeiro lugar – Jornal da Comunidade-27/07/09
Próximo post
Hospital Daher oferece novo serviço de alimentação

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.