Espirrar Faz Bem – 02/08/12

A maioria dos especialistas vê as alergias como reações imunes equivocadas contra substâncias inócuas como pólen ou amendoim. Alguns, no entanto, propõem uma teoria de alergias fundamentalmente diferente: nariz irritado, tosse e coceira podem ter evoluído para nos proteger de produtos químicos tóxicos, como veneno de cobra, presentes no ambiente e em alimentos. Há muito tempo imunologistas acreditam que quem tem alergia é vítima de uma resposta tipo 2 equivocada, que se acredita ter evoluído para nos proteger de parasitas. Essa reação fortalece as barreiras protetoras do corpo e promove a expulsão de invasores. Nosso corpo luta também contra substâncias nocivas usando a resposta tipo 1, que elimina diretamente patógenos como vírus, bactérias e células infectadas. A ideia é que patógenos menores podem ser mortos, mas é mais eficiente enfrentar os maiores defensivamente. Ruslan Medzhitov, imunobiólogo da Yale University, nunca aceitou a ideia de que as alergias são “soldados anônimos do exército antiparasita do corpo”. Os parasitas e as substâncias que provocam alergias, chamadas alergênicas, “não têm nada em comum”. Primeiro porque existe um número quase ilimitado de alergênicos; segundo porque reações alérgicas podem ser extremamente rápidas – da ordem de segundos – e “uma resposta a parasitas pode demorar um pouco mais”, justifica o pesquisador. Em um artigo publicado em abril na Nature [Scientific American é parte do Nature Publishing Group], Medzhitov e seus colegas argumentam que as alergias não são um erro, elas surgiram por uma razão: “Como nos defender de algo que inalamos por acaso? Produzindo muco, ficando com o nariz escorrendo, espirrando e tossindo. Se estiver em nossa pele, evitamos a substância devido à irritação ou tentamos remover ao coçar”, reforça o pesquisador. Da mesma maneira, se ingerimos algo alergênico nosso corpo pode reagir com vômitos. Entre as evidências citadas por Medzhitov está um estudo de 2006, publicado na Science, relatando que células-chave envolvidas em respostas alérgicas se degradam e desintoxicam veneno de cobra e de abelha. Um estudo de 2010, publicado no Journal of Clinical Investigation, sugere que respostas alérgicas à saliva de carrapatos impedem que eles se fixem no corpo e se alimentem. Como isso concorda com o conhecimento atual sobre alergias? Um estudo de 2011, publicado no New England Journal of Medicine, relata que crianças que crescem em fazendas, expostas a muitos microrganismos, apresentam menor tendência a desenvolver asma e alergias. Essa ideia, conhecida como “hipótese da higiene”, sugere que quem convive com bactérias e vírus no início da vida investe mais recursos imunes em respostas tipo 1. Medzhitov sustenta que essa hipótese pode coexistir com a dele. Por fim, a teoria de Medzhitov levanta mais perguntas que respostas, mas muitos concordam que suas suspeitas são plausíveis: “Isso nos estimula a desenvolver algumas hipóteses novas”, ressalta Kari Nadeau, imunologista da Escola de Medicina da Stanford University.

Fonte:Uol/Duetto

 

]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Spray com células vivas da pele é eficaz para tratar úlceras venosas da perna – 03/08/12
Próximo post
Pesquisas provam que vinho faz bem à saúde; confira 10 benefícios – 02/08/12

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.