Fones de ouvido são tão perigosos para audição quanto ruídos de motores a jato

O uso de fones de ouvido é tão perigoso para a audição quanto o ruído emitido por motores a jato, de acordo com pesquisadores da Universidade de Leicester, no Reino Unido. A pesquisa revela que o volume muito alto nos fones de ouvido pode danificar o revestimento das células nervosas, levando à surdez temporária. Ruídos mais altos do que 110 decibéis são conhecidos por causar problemas de audição, como surdez temporária e zumbido nos ouvidos, mas o estudo sugere, pela primeira vez, que é possível notar danos celulares subjacentes. "A pesquisa nos permite compreender o percurso da exposição a ruídos altos até a perda de audição. Dissecando os mecanismos celulares subjacentes a esta condição é possível descobrir um benefício muito significativo para a saúde de uma grande parcela da população. O trabalho tem potencial para ajudar na prevenção, bem como encontrar curas adequadas para a perda auditiva", afirma a líder da pesquisa Martine Hamann. Células nervosas que transportam sinais elétricos das orelhas para o cérebro tem um revestimento chamado bainha de mielina, que ajuda os sinais elétricos a viajarem ao longo da célula. A exposição a ruídos altos, ou seja, acima de 110 decibéis, pode retirar as células deste revestimento, interrompendo os sinais elétricos. Isto significa que os nervos não podem mais transmitir informação de forma eficiente a partir das orelhas para o cérebro. No entanto, o revestimento que rodeia as células nervosas pode ser corrigido, permitindo que as células funcionem normalmente de novo. Isso significa que a perda de audição pode ser temporária e a audição completa pode voltar. "Agora entendemos por que a perda de audição pode ser reversível em alguns casos. Nós mostramos que a bainha ao redor do nervo auditivo está perdida em cerca de metade das células que olhamos. O efeito é reversível e após três meses a audição se recuperou, assim como a bainha em torno do nervo auditivo", explica Hamann. As conclusões são parte de uma investigação maior em andamento sobre os efeitos dos ruídos altos em uma parte do cérebro chamada núcleo coclear dorsal, que carrega sinais de células nervosas do ouvido para as partes do cérebro que decodificam e dão sentido aos sons.

Fonte: Isaúde – 29/08/12

 

]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Estudo: chocolate e vinho podem não ser benéficos ao coração
Próximo post
Rotina com hábitos irregulares pode causar obesidade

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.