Contaminantes ambientais pioram memória e tolerância ao estresse em idosos

Contaminantes ambientais como o chumbo, cobre, zinco, cádmio e organoclorados pioram memória e tolerância ao estresse. Pesquisa desenvolvida com 130 idosos saudáveis revelou que aqueles que que tiveram níveis mais altos de determinados contaminantes ambientais no sangue se saiam pior em testes de estresse e de desempenho cognitivo. Normalmente esta substâncias eram usadas no passado como pesticidas. Segundo a coordenadora da pesquisa e professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Deborah Suchecki, durante os testes, " todos apresentaram dosagens inferiores ao limite considerado seguro para a saúde humana. Ainda assim, o grupo com teores acima da mediana se saiu pior nos testes" , contou. Veja mais detalhes da pesquisa aqui. Nos testes para avaliar a memória de curto e de longo prazo, a atenção e a fluência verbal dos voluntários, as diferenças mais significativas foram percebidas nos idosos com níveis mais altos de chumbo, cobre e organoclorados. O objetivo foi testar a hipótese de que a exposição a contaminantes ambientais, que atuam como desreguladores endócrinos, poderia explicar, pelo menos em parte, a grande variabilidade no desempenho cognitivo existente entre pessoas com mais de 60 anos. A pesquisadora ressalta, porém, que os dados evidenciam a vulnerabilidade dos idosos aos efeitos dos contaminantes. " Em função da longa permanência das substâncias no organismo e da redução, durante o envelhecimento, da capacidade de compensar os prejuízos causados por agressores ambientais" , afirmou Juliana Nery de Souza Talarico, docente da Escola de Enfermagem da USP. A pesquisa está sendo desenvolvida pelo Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em parceria com cientistas da Escola de Enfermagem e da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP) e da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O estudo vem sendo feito em parceria com um centro de pesquisa da Universidade de Montreal, no Canadá. " Lá foi avaliada uma amostra de 73 idosos. Embora o contexto sociocultural seja diferente, os resultados foram semelhantes" , disse a pesquisadora.

Fonte: Isaúde, 12 de setembro de 2012

 

]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Especialistas alertam para a importância do consumo correto de sódio e sal
Próximo post
Espinafre pode ajudar no combate a demência, diz estudo

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

Menu