Câncer de mama tem cura quando diagnosticado de forma precoce, alertam mastologistas

 Nos últimos anos, o tratamento do câncer de mama evoluiu muito e já não preconiza a retirada total do seio após o diagnóstico da doença. Pelo contrário, esta “temida” cirurgia — conhecida como mastectomia — geralmente é indicada em casos mais avançados, ou seja, quando o tumor está muito grande. De acordo com o mastologista Dr. José Roberto Filassi, coordenador de Mastologia do Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo), mais da metade das cirurgias não retira a mama. — Hoje em dia, entre 60% a 70% das cirurgias de câncer de mama conserva o seio. No caso da necessidade da mastectomia, normalmente o cirurgião faz a imediata reconstrução mamária. As intervenções cirúrgicas estão cada vez menos invasivas e a recomendação do tratamento vai depender especialmente do estágio do câncer, que costuma ser classificado de zero a quatro, sendo em ordem crescente sua gravidade. A explicação é da mastologista Dra. Maria do Socorro Maciel, diretora do Núcleo de Mastologia do Hospital A.C.Camargo, em São Paulo (SP). — O estágio zero é o mais inicial, ou seja, há mais chance de cura. No entanto, vale destacar que todo diagnóstico de câncer exige tratamento cirúrgico para retirar tanto o tumor quanto alguns gânglios ao redor do local afetado. Isso nos dá mais margem de segurança. A médica acrescenta que idade, características do tumor, perfil da paciente e histórico familiar da doença também contribuem para a definição do tratamento mais adequado. Radioterapia e quimioterapia Os especialistas enfatizam que nem toda paciente precisa se submeter a radio ou quimioterapia. Segundo a Dra. Maria do Socorro, ambas vão complementar o tratamento cirúrgico e assegurar a eliminação total da doença. — A radioterapia ajuda a terminar de matar as células malignas que não tenham sido extirpadas cirurgicamente. Na prática, a paciente entra num aparelho que emite radiação por cerca de 10 minutos durante 20 a 30 dias. Já a quimioterapia é indicada para ajudar a matar as células tumorais que podem estar espalhadas pelo corpo e geralmente é recomendada quando o tumor mede mais do que 1 cm ou há a presença de gânglios na axila. Sobre os efeitos colaterais, a radioterapia é mais amena e pode queimar um pouco a pele da mama e deixar a mulher com sonolência e moleza. No caso da quimioterapia, a queda de cabelo, o maior risco de infecções resultado da diminuição dos glóbulos brancos (responsáveis pela defesa do organismo) e a presença de náuseas e enjoos são os mais evidentes. Hormonoterapia Cerca de 60% das mulheres tem tumores com receptores hormonais positivos, ou seja, os chamados hormônios femininos (receptores de estrogênio e progesterona) que servem de “alimento” para a célula tumoral. Na presença destes receptores, a mulher pode utilizar a hormonoterapia como parte do tratamento em qualquer fase da doença. Além da cirurgia e, quando necessário, da quimioterapia, a paciente vai administrar um comprimido via oral durante cinco anos. A mastologista do Hospital A.C.Camargo explica: — O tratamento com a medicação oral é preventivo e visa reduzir a chance de a doença voltar. Depois dos cinco anos, a mulher deve visitar o médico anualmente. Segundo a médica, os efeitos colaterais mais comuns desta terapia são aumento das ondas de calor, risco de doença tromboembólica e catarata. Mortalidade De acordo com o Inca (Instituto Nacional do Câncer), a taxa de mortalidade do câncer de mama é relativamente alta porque a doença ainda é diagnosticada em fase avançada. Por isso, a Dra. Maria do Socorro reforça a necessidade da prevenção. — Se a doença for detectada em estágio inicial a chance de cura chega a 90%. Além disso, se o diagnóstico e o tratamento forem adequados, a chance de a outra mama ser atingida é de 0,6% ao ano. Para o mastologista Dr. Ruffo de Freitas Jr., diretor da Escola Brasileira de Mastologia da SBM (Sociedade Brasileira de Mastologia), houve uma mudança significativa no estigma do câncer de mama. — Câncer não é mais sinônimo de morte. Novas pesquisas e medicações nos possibilitam tratar melhor a doença e dar esperança de vida ao paciente.

Fonte: R7, 03 de outubro de 2012

]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Veja como combinar alimentos para extrair maiores benefícios à saúde
Próximo post
Genética torna mulheres mais vulneráveis à obsessão pela magreza

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.