Terapia de reposição hormonal pode prevenir doença de Alzheimer

 Cientistas da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, descobriram que mulheres que começam a fazer reposição hormonal até cinco anos após entrarem na menopausa estão em menor risco de desenvolver Alzheimer. A pesquisa sugere que a terapia hormonal, indicada para tratar os sintomas da menopausa, reduz em 30% o risco desse tipo de demência. "Esta tem sido uma área de debate, porque estudos observacionais têm mostrado uma redução do risco de doença de Alzheimer com o uso de terapia hormonal, enquanto um estudo aleatório mostrou um aumento do risco. Nossos resultados sugerem que pode haver uma janela crítica perto da menopausa, onde a terapia hormonal pode, eventualmente, ser benéfica. Por outro lado, se iniciada mais tarde na vida, a terapia hormonal pode ser associada a um risco maior da doença", afirma o autor do estudo, Peter P. Zandi. Zandi e seus colegas acompanharam 1.768 mulheres com idades entre 65 anos ou mais por 11 anos. As mulheres forneceram um histórico do seu uso de terapia hormonal e da data em que a menopausa começou. Um total de 1.105 mulheres tinha usado terapia hormonal, que consiste de apenas estrogênio ou desse hormônio em combinação com progestina. Durante o estudo, 176 mulheres desenvolveram doença de Alzheimer, incluindo 87 das 1.105 mulheres que tomaram a terapia hormonal em comparação com 89 das outras 663. A análise mostrou que mulheres que começaram a terapia hormonal após cinco anos da menopausa tinham um risco 30% menor de Alzheimer do que aquelas que não tinham usado o tratamento. O risco não se alterou entre os usuários de outros hormônios que tinham começado o tratamento depois de mais de cinco anos após a menopausa, mas um maior risco de demência foi observado entre as mulheres que tinham iniciado uma terapia combinada de estrogênio e progesterona quando tinham pelo menos 65 anos de idade. "Embora este estudo mostre que o uso de hormônios a curto prazo pode reduzir o risco da doença de Alzheimer, mais pesquisas são necessárias antes que possamos fazer novas recomendações clínicas para as mulheres e o uso de terapia hormonal", conclui o pesquisador Victor Henderson, da Universidade de Stanford.

Fonte: Isaúde, 26 de outubro de 2012

]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Diferença no cérebro pode influenciar habilidades de homens e mulheres
Próximo post
Crianças obesas comem mais porque têm paladar menos sensível, diz estudo

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.