Pesquisa mostra benefícios e malefícios da castanha-do-pará

Pequena no tamanho, grande em benefícios, assim é a castanha-do-pará que ficou também conhecida como castanha-do-brasil. O alimento, fruto de uma grande castanheira nativa da Floresta Amazônica, é rico em mineral e auxilia na busca de uma vida longa e saudável.

Um estudo da Universidade de Otago, na Nova Zelândia comprova que a ingestão diária de duas castanhas elevam em cerca de 65% o teor de selênio no sangue, um nutriente necessário no combate ao envelhecimento celular, que tem características antioxidante. Porém como tudo em excesso faz mal, alertar-se para o consumo exagerado da semente. Uma ingestão superior a 850 ug/dia gera a toxidade crônica do selênio. A selenose é caracterizada por perda e fragilidade de unhas e cabelos, podendo desencadear também uma serie de outros sintomas, como: distúrbios gastrointestinais, hálito com odor forte (como de alho), fadiga, irritação e anormalidades no sistema nervoso.

“Cada faixa etária possui um valor de recomendação diária de selênio, por exemplo, jovens acima de 18 anos, indica-se no máximo 45 mcg/dia”. Afirma a nutricionista do Hospital Daher, Dra. Gianna dos Santos.

O óleo da castanha-do-pará, usado para temperar saladas, assados e cozidos, também é benéfico por possuir, além dos altos teores de ômega 6 e 9,quantidades consideráveis de micronutrientes, como o zinco. Entretanto, seu consumo também deve ser moderado por causa do seu grande valor calórico. O indicado é não ultrapassar a ingestão de 90 Kcal, equivalente a uma colher de sopa.

O selênio, mineral presente na composição de muitos alimentos, em especial a castanha-do-pará é fundamentalmente importante ao organismo por se ligar a proteínas já existentes formando enzimas antioxidantes que agem em defesa do organismo.

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

26 Comentários. Deixe novo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Convivência com pessoas tristes aumenta as chances de depressão
Próximo post
Aids cresce 26% entre idosos em 10 anos em SP
Menu

Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.