Chega de fumar

dia-contra-tabagismo-mO dia 31 de maio marca a data mundial de combate ao cigarro. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de um terço da população adulta fuma. Em outros termos, calcula-se que quase 47% dos homens e 13% das mulheres ao redor do globo fazem uso de tabaco constantemente. O pior é que, além de provocar doenças cardiovasculares e tumores nos fumantes, as substâncias exaladas na fumaça também trazem problemas às pessoas que convivem com eles. O drama é que, apesar de tantas campanhas nos últimos anos, os jovens continuam sendo um dos principais alvos do tabagismo. A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) fez um estudo com cerca de três mil alunos da rede pública e constatou que 10% dos fumantes tiveram exemplos vindos de casa. O levantamento ainda constatou que 40% das vítimas do fumo passivo hoje têm menos de 5 anos de idade. E por que o cigarro continua tão popular? Segundo o cardiologista Carlos Alberto Machado, diretor de Promoção da Saúde Cardiovascular da SBC, como há muitas leis que restringem o uso de cigarros em ambientes fechados, os fabricantes têm se apropriado de novas estratégias para conseguir chamar a atenção sobretudo dos adolescentes. “Nos pontos de venda, o cigarro permanece próximo das prateleiras dos doces, geralmente visualizadas pelas crianças e jovens”, afirma o médico. A guerra contra o cigarro, portanto, não terminou. Pelo contrário: ainda cobra um extenso trabalho de autoridades de saúde e da sociedade civil. Uma das frentes de batalha é desestimular as pessoas a começar a fumar. A outra é dar fim ao vício a quem já sofre com ele. Então, vamos falar de tratamentos. Como parar de fumar Em primeiro lugar, como você deve saber ou intuir, é preciso muita força de vontade. Mas alguns tratamentos ajudam na empreitada. De acordo com a psicóloga Silvia Cury, gerente do Serviço de Psicologia e responsável pelo Programa de Assistência Integral ao Fumante do Hospital do Coração, em São Paulo, ele vai variar de acordo com o paciente. “O chamado padrão ouro de abordagem é conciliar medicamentos com um acompanhamento psicológico. Essa combinação é considerada a maneira mais eficaz para largar o vício e também a mais empregada”, conta a especialista. Além da intervenção psicológica, da reposição de nicotina — que pode ser feita por meio de adesivos e gomas de mascar, por exemplo — e dos remédios que exigem prescrição médica, há uma linha alternativa de tratamento. Ela se baseia numa crítica à supervalorização da abstinência por razões bioquímicas. Em outras palavras, a indústria e muitos especialistas estariam colocando demais a culpa na dependência gerada pela nicotina e outras substâncias, o que dificultaria, inconscientemente, o abandono do vício. Um dos métodos se baseia em seminários e se chama Allen Carr’s Easyway to Stop Smoking. Criado nos anos 1980 no Reino Unido pelo contador Allen Carr, ele aposta em uma única palestra que busca convencer o fumante a dar adeus aos cigarros. Nada de reposição de nicotina, nem de remédios. A proposta já conta com algum respaldo científico e vem sendo adotada por empresas mundo afora, inclusive no Brasil. “Um dos grandes mitos que desfazemos dentro do nosso programa de seminários é justamente esse ligado à abstinência. Ela é uma coisa mais leve e fácil de se lidar quando se tem uma abordagem correta”, diz Lilian Brunstein, terapeuta que emprega o método no Brasil. As pessoas que aplicam as palestras não são médicas, mas ex-fumantes focados num trabalho psicológico feito em grupos de até 20 pessoas. Segundo Lilian, bastaria um seminário para que a maioria das pessoas abandonasse de vez o vício. Procuramos especialistas ligados à vertente mais tradicional para saber sua opinião sobre essa forma de combate ao tabagismo, mas eles preferiram não emitir opiniões a respeito. Fonte: Revista Saúde]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Cerca de 40% da população brasileira têm intolerância à lactose
Próximo post
Café não piora doença do coração

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.