Amamentação pode reduzir risco de Alzheimer para as mães

amammentacaoUm novo estudo sugere que as mães que amamentam correm um risco menor de desenvolver Alzheimer s e que longos longos períodos de amamentação reduzem progressivamente este risco. O relatório, publicado recentemente no Journal of Alzheimer?s Disease, sugere que a ligação pode ter a ver com certos efeitos biológicos da amamentação. Por exemplo, a amamentação restaura de tolerância à insulina, que é significativamente reduzida durante a gravidez, e uma das características do Alzheimer é a resistência à insulina no cérebro. Embora o estudo tenha usado como base informações de apenas 81 mulheres britânicas, os pesquisadores observaram uma correlação altamente significativa e consistente entre o aleitamento materno eo risco de Alzheimer. Eles argumentam que esta relação era tão forte que qualquer erro de amostragem potencial era improvável. Os resultados podem apontar para novas direções para combater a epidemia global de Alzheimer s, especialmente em países em desenvolvimento, onde necessárias medidas preventivas de baixo custo. Mais amplamente, o estudo abre novas linhas de investigação para entender o que faz alguém suscetível ao Alzheimer em primeiro lugar. Ele também pode funcionar como um incentivo para que as mulheres amamentem mais. Molly Fox, líder o estudo, disse que Alzheimer é a desordem cognitiva mais comum do mundo e já afeta 35,6 milhões de pessoas. “No futuro, esperamos que ele se espalhe mais em países de baixa e média renda. Por isso, é vital que desenvolvamos estratégias de baixo custo, em grande escala para proteger as pessoas contra esta doença devastadora.” Estudos anteriores já estabeleceram que a amamentação pode reduzir o risco de certas outras doenças a mãe s, e a pesquisa mostrou também que pode haver uma relação entre a amamentação e o declínio cognitivo geral de das mulheres mais tarde. Até agora, porém, pouco tem sido feito para examinar o impacto da amamentação sobre o risco de Alzheimer. Fox e seus colegas Professor Carlo Berzuini e Professor Leslie Knapp entrevistaram 81 mulheres britânicas com idades entre 70 e 100. Estes incluíram mulheres saudáveis e com Alzheimer. Além disso, a equipe também entrevistou parentes, cônjuges e cuidadores. Através destas entrevistas, os pesquisadores coletaram informações sobre a histórico reprodutivo das mulheres, hitórico de amamentação, e seu estado de demência. Eles também reuniram informações sobre outros fatores que podem explicar o estado de demência, por exemplo, um acidente vascular cerebral ou tumor cerebral no passado. O estado de demência foi medido utilizando uma escala padrão chamado Clinical Dementia Rating (CDR). Os pesquisadores também desenvolveram um método para estimar a idade dos doentes de Alzheimer, no início da sua doença, usando o CDR como uma base, e levando em conta a idade e padrões conhecidos da progressão do Alzheimer. Toda esta informação foi então comparada com o histórico de amamentação. Apesar do pequeno número de participantes, o estudo revelou uma série de ligações claras entre amamentação e Alzheimer. Estes não foram afetados quando os pesquisadores levaram em conta outras possíveis variáveis, como idade, histórico educacional, idade em que a mulher deu a luz ao primeiro filho, e época da menopausa; ou mesmo histórico tabagismo ou de ingestão de bebida alcoólica. Os pesquisadores observaram três tendências principais: mulheres que amamentaram apresentaram um risco de doença de Alzheimer reduzido em comparação com as mulheres que não fizeram; história mais longa amamentação foi significativamente associada com um menor risco de Alzheimer, as mulheres que tiveram uma maior proporção do total de meses de gravidez durante a sua vida que o total de meses de amamentação, apresentaram um risco aumentado de Alzheimer . As tendências foram, no entanto, muito menos pronunciadas para as mulheres que tiveram um pai ou irmão com demência. Nestes casos, o impacto da amamentação em risco de Alzheimer pareceu ser significativamente menor, em comparação com as mulheres cujas famílias não tinham história de demência. O estudo argumenta que pode haver um certo número de razões biológicas para a ligação entre a doença de Alzheimer e da amamentação, todos os quais requerem uma investigação mais aprofundada. Uma teoria é que a amamentação priva o corpo da hormonio progesterona, compensando os elevados níveis de progesterona que são produzidos durante a gravidez. A progesterona é conhecido para dessensibilizar os receptores de estrogênio no cérebro, e o estrogênio pode desempenhar um papel importante na proteção do cérebro contra a doença de Alzheimer. Outra possibilidade é que a amamentação aumenta a tolerância à glicose, restaurando a sensibilidade à insulina após a gravidez. A própria gravidez induz a um estado natural de resistência à insulina. Isto é significativo porque a doença de Alzheimer é caracterizada por uma resistência à insulina no cérebro (e, por conseguinte, a intolerância à glicose). Fonte: ISaúde]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Higiene bucal pobre ou doença gengival são ligadas ao maior risco de Alzheimer
Próximo post
Seis em cada 10 brasileiros têm risco de desenvolver diabetes

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

Menu