Dentistas: bebês precisam fazer primeira consulta antes de completar 1 ano

dentesOs cuidados com a higiene bucal são cada vez mais disseminados entre as crianças, tanto na escola quanto em casa. O ensinamento, porém, não livra os pequenos totalmente das cáries, um problema que não pode ser considerado como normal na infância e que pode ser evitado com medidas adotadas antes mesmo de as crianças nascerem. Um estudo publicado no periódico Pediatrics indicou que menos de 1% dos garotos e das garotas saudáveis de Toronto, no Canadá, foi ao dentista antes de completar 1 ano. O cuidado precoce também é pouco praticado entre as famílias brasileiras, e as consequências são dentes cariados, dor e tratamentos de reparo em bocas que estão longe de chegarem a uma condição amadurecida. As academias americana de Pediatria e de Odontologia Pediátrica e a Associação Dental Americana, assim como a Associação Brasileira de Odontopediatria, aconselham que a primeira visita ao consultório ocorra quando os dentinhos começam a despontar, por volta dos 6 meses. Mas poucos pais conhecem a recomendação. Os motivos para que a saúde bucal fique em segundo plano, principalmente nos primeiros 24 meses de vida, envolvem falta de informação, dificuldade de acesso ao dentista e a noção de que os dentes de leite vão cair e, portanto, não devem ser motivo de preocupação. Mas o pediatra canadense Jonathon Maguire, principal autor do estudo, explica que as cáries não causam apenas dor. Contribuem para problemas de comportamento e alimentação, afetando, inclusive, o estado nutricional da criança. “A falta de informação não é apenas dos pais, mas também de outros profissionais da área de saúde, como pediatras. Eles, as enfermeiras e todos que lidam com esse público devem ser instruídos sobre o problema e trabalhar em conjunto para evitá-lo”, esclarece o médico do Hospital St. Michael, onde o estudo foi conduzido. Apesar de a cárie ser uma das doenças mais comuns do mundo — atinge pelo menos 60% das crianças em idade escolar — , muitas pessoas não sabem que têm o problema nem que ele é uma sequela do estilo de vida inapropriado, envolvendo em especial a alimentação. Margaret Chan, diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), alertou na 67ª Assembleia de Saúde Mundial, realizada em maio em Genebra, que o mundo “precisa reduzir o consumo de açúcar, e o motivo para isso é a associação com as cáries e obesidade”. No Brasil, os números confirmam que a preocupação tem fundamento. A Pesquisa Nacional de Saúde Bucal de 2010, com os dados mais recentes sobre esses cuidados na pré-infância, estima que 18% das crianças de 12 anos nunca foram ao dentista. A estatística aumenta entre a faixa de 0 a 9 anos: 17,2 milhões, o equivalente a 52% dos pequenos, nunca foram atendidos em um consultório odontológico. Mais de 53% deles foram diagnosticados com cáries antes de completar 5 anos. Por outro lado, é provável que a maior parte tenha sido levada, pelo menos uma vez, ao pediatra ou a outro especialista médico. Fonte: Correio Braziliense Para saber mais Lesões por cárie foram encontradas em quase todas populações de hominídeos. Há registros tanto entre os australopithecus, que viveram há 1 milhão de anos, quanto entre indivíduos do neolítico, 10 milênios atrás. Na maioria dos casos, a incidência da doença era inferior a 1%, e alguns dos nossos familiares mais antigos, como os neandertais, parecem ter sofrido menos ainda com o problema. De modo geral, a prevalência das lesões aumentou nos últimos 5 milênios. Durante os primeiros 4 mil anos, o mal atacava de dois a 10 dentes a cada 100. Houve um incremento no ano mil depois de Cristo, quando três de quatro populações passaram a sofrer com 25 dentes cariados entre 100. Esse é o período em que se acredita que a cana-de-açúcar foi introduzida no Ocidente. Os egípcios antigos não sofreram tanto com a cárie por conviverem com um problema ainda maior, a corrosão dos dentes. O desgaste era causado pela areia desprendida dos pilões de pedra que acabava se misturando à comida. O esmalte e a dentina eram tão corroídos que a raiz do dente chegava a ficar exposta. Infecção crônica e dolorosa gerava abscessos que eram drenados pelos dentistas da época com uma vara fina e oca.]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Cabelo x gravidez: o que pode ou não ser feito nos fios!
Próximo post
Controle de enzima pode evitar que pessoas obesas desenvolvam diabetes

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.