Cientistas identificam esconderijo no corpo humano do parasita da malária

malariaO parasita Plasmodium falciparum causa a forma mais grave da malária, uma doença que mata 1 milhão de pessoas a cada ano e custa pelo menos US$ 12 bilhões aos governos dos países afetados. Conhecer como o micro-organismo se reproduz dentro do corpo humano e do Anopheles gambiae, mosquito transmissor da enfermidade, é fundamental para o desenvolvimento de tratamentos mais eficientes. Pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, descobriram um aspecto crucial do ciclo de reprodução do parasita, uma questão aberta há 100 anos e para qual os cientistas ainda não têm muitas respostas. O novo estudo, publicado hoje na revista Science Translational Medicine, confirma que os patógenos causadores da malária têm a capacidade de se esconder dentro da medula óssea da pessoa infectada para escapar do sistema imunológico dela. Estudos anteriores já haviam apontado para essa direção. Entretanto, a equipe liderada por Regina Joice sugere que, nesse processo, os micro-organismos utilizam uma alternativa de defesa e ataque. Joice apresentou evidências de que alguns parasitas na forma sexuada (macho e fêmea) do plasmodium, etapa em que são chamados de gametócitos, se desenvolvem no sistema que produz as células do sangue, na medula óssea humana. Esses, entretanto, são imaturos e não têm capacidade de atacar o sistema sanguíneo. Por isso, permanecem nos tecidos do corpo até oito dias, tempo necessário para atingir a maturidade e recomeçar o ciclo de infecção. O conhecimento sobre os mecanismos que permitem essa evolução, entretanto, é limitado. Os cientistas supunham, por exemplo, que a circulação e o desenvolvimento dos parasitas no corpo humano se restringiam ao sistema intravascular, isto é, ocorriam apenas dentro dos vasos sanguíneos. O raciocínio tem base no fato de esses parasitas se ligarem e atacarem justamente os glóbulos vermelhos, os destruindo. Fonte: Correio Braziliense]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Estudo descarta que vacina contra HPV aumente risco de coágulos
Próximo post
Estudo relaciona morte de pássaros a uso de pesticidas

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.