Aplicação de gel dificulta a evolução do câncer de mama, dizem cientistas

Woman examining her breast isolated on whiteNa puberdade, as glândulas mamárias de uma menina começam a se desenvolver devido à liberação dos hormônios sexuais femininos na circulação sanguínea. As mamas são extremamente sensíveis à ação da progesterona e do estrógeno, que se ligam ao tecido dos seios por meio de moléculas conhecidas como receptores. É essa associação que vai controlar a multiplicação celular, atendendo às exigências da vida sexual e reprodutiva do organismo. Quando as células cancerígenas passam a promover alterações nessa região, uma de suas estratégias é manter esses receptores, pois será a partir deles que elas conseguirão se “alimentar” e, assim, crescer e se desenvolver. Essa explicação corresponde a 70% dos casos de câncer de mama, tendo a droga tamoxifeno como principal terapia contra eles. A substância não é um quimioterápico, age interrompendo essas ligações entre o receptor e o hormônio para que o tumor não possa mais evoluir (veja infografia). Atualmente, a medicação é ministrada oralmente, afetando o corpo de maneira sistêmica, ou seja, por inteiro. Uma nova proposta de entrega dessa substância pode mudar completamente a forma como são desenvolvidos os tratamentos anticancerígenos. De acordo com uma pesquisa publicada hoje na Clinical Cancer Research, uma revista especializada da Associação Americana para Pesquisa do Câncer, o mesmo medicamento em forma de gel poupou as pacientes de uma série de efeitos colaterais normalmente percebidos na versão oral. Além disso, ele também se mostrou mais eficaz devido à aplicação local — mais restrita e intensa. A variação do tamoxifeno em gel criada por uma equipe que reuniu diversos departamentos da Escola de Medicina da Universidade Northwestern Feinberg recebeu o nome de 4-OHT. O estudo comparativo com a terapia oral foi feito com 27 mulheres com carcinoma mamário in situ, idade entre 45 e 86 anos e no período pré ou pós-menopausa. Metade delas tomou o medicamento oralmente e a outra aplicou o produto nos seios de seis a 10 semanas antes de uma cirurgia de mastectomia. No processo, a concentração de tamoxifeno no tecido adiposo mamário e em seus principais metabólitos foi determinada por espectrometria de massa de cromatografia. Fonte: Correio Braziliense]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Computador, smartphone e televisão podem causar fadiga ocular
Próximo post
Estudo destaca avanços no tratamento conjunto da hepatite C e do HIV

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

Menu