Varizes: Descubra como cuidar e prevenir

varizes aparecem As subidas sempre são a parte mais difícil do percurso. No sistema circulatório também. O sangue corre uma maratona para sair dos pés e chegar ao coração. O trabalho é tão duro que músculos, veias e válvulas unidirecionais o ajudam no percurso. Se um deles perde o fôlego, o sangue para, obstrui as veias e as varizes aparecem. Segundo estudos do Centro de Saúde Escola de Botucatu (SP), o problema atinge 35% da população. Não se trata de uma questão meramente estética. “Se não tratadas, as varizes podem virar hipertensão venosa crônica e trombose. Caso infeccionem, resultam em úlceras varicosas”, explica Hilton Waksman, cirurgião cardiovascular do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. A genética e os hábitos de vida também impulsionam a dilatação dos vasos. Aprenda a desobstruir seu encanamento.

Os entupidores
Gravidez Na gestação, há mais chances de as varizes aparecerem por dois motivos. O primeiro é que a maior concentração dos hormônios estrógeno e progesterona tem efeito vasodilatador. O segundo é o aumento do útero, que, mais pesado, comprime os vasos pélvicos, dificultando a circulação. “Para evitar o problema, o ideal é fazer o pré-natal corretamente, não ganhar peso demais e usar meias elásticas”, explica Hilton Waksman. A boa notícia é que as varizes originadas na gravidez são as únicas que podem sumir sem intervenção. “Muitas vezes, as veias só dilatam e voltam ao normal.” O ideal é esperar pelo menos dois meses após o parto para analisar o grau do problema e iniciar o tratamento adequado. Salto alto Uma pesquisa da Divisão de Cirurgia Vascular e Endovascular do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP/USP) comprovou o que a gente já imaginava: salto alto influencia o aparecimento de varizes. “Ele imobiliza o tornozelo, impedindo a contração da musculatura da batata da perna e o bombeamento do sangue”, diz o cirurgião. E não importa o tipo de salto, mas sim a altura dele. Na pesquisa, as mulheres usaram modelos agulha e anabela, ambos de 7 cm. O acúmulo de líquidos na perna ficou em 56% no agulha e 59% no anabela, sendo que o normal é até 35%. Por isso, se você tem predisposição, reserve o salto para ocasiões especiais. Anticoncepcional + Tabagismo Essa combinação é perigosíssima para quem tem propensão às varizes. O estrógeno, um dos hormônios contidos na pílula, aumenta o risco da formação de coágulos no sangue, que obstruem as veias. O mesmo pode acontecer também na menopausa, com a reposição hormonal. Já as substâncias tóxicas contidas no cigarro são vasodilatadoras. Portanto, cigarro + pílula + fatores hereditários = varizes na certa. Mas nem por isso você precisa abandonar o anticoncepcional. A dica é optar pelas versões à base de progesterona sintética, que podem ser recomendadas pelo seu ginecologista. Já o cigarro, faça o favor de apagar. Muito tempo parada (sentada ou em pé). Os tornozelos ficam inchados, doem e no final do dia você sente aquela sensação de peso nas pernas? É sinal de que vêm varizes por aí! Esses sintomas são comuns em quem passa muito tempo sentada ou em pé, pois os músculos são pouco estimulados. Se é o seu caso, a dica é andar por pelo menos 5 minutos a cada hora e meia. Essa pequena caminhada melhora o retorno venoso. “Usar meias elásticas de compressão ajudam a prevenir e diminuem os sinais, mas não curam”, define Priscila Nahas, diretora da Sociedade Brasileira de Flebologia e Linfologia. Carga pesada Carregar muito peso e com frequência é sinal verde para o surgimento das varizes. O mesmo princípio se aplica à musculação. Esse exercício contrai a musculatura, bloqueando o bombeamento do sangue até o coração. Logo, aposente a Mulher Maravilha. Nada de aumentar a carga dos aparelhos só porque quer efeitos mais rápidos. Precisa carregar peso, como em uma mudança, por exemplo? Chame um homem e deixe que ele faça o trabalho pesado. Obesidade e sedentarismo Essa dupla é aliada dos problemas mais temidos, como colesterol alto, hipertensão, diabetes… e varizes também. A obesidade sobrecarrega os membros inferiores e aumenta a compressão abdominal. O resultado disso é má circulação. Nesses casos, o ideal é emagrecer antes de iniciar um tratamento. Sedentárias também estão propensas a ganhar algumas veias sobressaltadas, pois sem movimentação corporal não há estímulo da musculatura. É preciso fortalecer os músculos da panturrilha a fim de impulsionar a circulação venosa. Não só pelosedentarismo, mas por diversas questões de saúde, mexa-se. Valem modalidades aeróbicas leves, como caminhada, ciclismo e hidroginástica, por pelo menos três vezes por semana. As válvulas de escape Escleroterapia Uma agulha bem fina libera um líquido que irrita a região afetada e destrói a veia, deixando uma cicatriz quase imperceptível. As aplicações podem ser feitas semanalmente em consultório médico e a quantidade de sessões depende de cada paciente. Simples e rápida, não necessita de repouso após o procedimento. Logo depois da aplicação, podem surgir hematomas. Por isso não é recomendado tomar sol por pelo menos uma semana. Funciona para as telangiectasias e pequenas veias, sendo ineficiente no caso de varizes. “No caso de microvarizes, como a aplicação provoca uma inflamação nas paredes das veias, pode acabar não resolvendo e até deixando manchas”, afirma Waksman. No Brasil, as substâncias mais usadas são a glicose (crioescleroterapia) e o oleato de etanolamina, que têm menor índice de reação alérgica. Escleroterapia com espuma O procedimento é o mesmo da escleroterapia. As substâncias polidocanol e tetradecil-sulfato de sódio são agitadas e, em contato com o ar, viram espuma. “O tempo de ação desses princípios ativos aumenta, garantindo maior eficácia no tratamento e acabando com varizes”, diz Eduardo Toledo de Aguiar, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Microcirurgia Pequenas incisões feitas com um instrumento semelhante a uma agulha de crochê retiram a veia afetada. A microcirurgia é realizada em consultório, com anestesia local, e só exige repouso no próprio dia, em casa. Funciona em casos de microvarizes e, como a veia é retirada, não se corre o risco de o problema voltar. Cirurgia É indicada para varizes e microvarizes, quando a safena é afetada. O procedimento parece a microcirurgia, mas é feita em hospital, com anestesia peridural. A paciente deve ficar internada por pelo menos um dia, mais dois de repouso em casa. Muitas optam por fazer a operação em uma sexta-feira para repousar no fim de semana. No pós-operatório, é preciso usar meia elástica de 15 a 20 dias. Tomar sol está proibidíssimo. Laser Um aparelho emite raios laser que atravessam a pele e aumentam a temperatura do sangue, eliminando o vaso pelo calor. Num teste com 52 pacientes feito por cientistas da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas (Unicamp), em São Paulo, 81% das feridas apresentaram cura total. “O laser somente é indicado para o tratamento de vasinhos (telangiectasias), sendo, portanto, uma técnica bastante utilizada nos casos de vasos superficiais”, explica o dermatologista Jorge Mariz, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Recomendam-se, em média, três sessões, com intervalos de 30 dias entre elas. A aplicação de cada sessão dura, em geral, 30 minutos. Desentupidores Afora as intervenções mais sérias, há outros coadjuvantes no tratamento e prevenção das varizes, como uma dieta equilibrada. “Os alimentos funcionais são ricos em flavonoides, substâncias que aumentam a resistência das paredes dos vasos sanguíneos. Aposte no consumo de cebola roxa, maçã, brócolis, vinho tinto e mirtilo”, aconselha Priscila. Outro recurso são os medicamentos orais conhecidos como flebotônicos ou flebotróficos capazes de conter o problema. “Eles têm ação cientificamente comprovada”, explica a especialista. “As meias de alta compressão servem de coadjuvantes na prevenção; já os cremes que prometem o desaparecimento das varizes são pura enganação”, adverte Priscila. Os tipos de entupimento Há três tipos de dilatações venosas que são consideradas varizes, e para cada um há tratamentos específicos e eficientes 1. Telangiectasias São os famosos vasinhos que não saltam da pele. O incômodo, de natureza basicamente estética, tem chance de virar varizes se não for tratado. 2. Microvarizes Trata-se das veias sobressaltadas que só ficam visíveis com alguns movimentos. 3. Varizes São as veias saltadas e tortuosas, visíveis sem esforço ou movimento. É a versão mais perigosa e com mais chance de virar trombose ou flebite. Fonte: www.mdemulher.abril.com.br]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Rinites quais os tipos existentes?
Próximo post
Mudanças na alimentação, antes e depois da cirurgia bariátrica

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.