A nova ameaça para o verão

Depois do Caribe, da Colômbia e da Venezuela, a chikungunya se dissemina pelo Brasil. O vírus causador da doença é transmitido pelo mesmo mosquito da dengue e os especialistas calculam que o maior número de casos ocorrerá na estação mais quente do ano.

A febre chikungunya chegou para ficar. Na semana passada, o Ministério da Saúde contabilizava 828 casos de transmissão da doença dentro do País do começo do ano até 25 de outubro. Isso significa que o vírus CHIKV, causador da enfermidade, começa a se instalar de forma ameaçadora na vida dos brasileiros. Trata-se de uma doença que seguirá a mesma trilha da dengue por vários motivos. O primeiro deles é ser transmitida pelos mosquitos que também disseminam a dengue, o Aedes aegypti e o Aedes albopictus (restrito às florestas). Por isso, áreas onde houver o maior número de mosquitos e de casos de dengue – e que não tomaram ainda as providências já bem conhecidas para eliminar criadouros de mosquito – estão na iminência de enfrentar um surto de chikungunya de proporções semelhantes.

Uma das cidades mais atingidas até agora é Feira de Santana, na Bahia (no Estado, a doença, de nome difícil, está sendo chamada de “Chico Cunha”). De acordo com o Ministério da Saúde, havia 371 casos confirmados na cidade até a semana passada e outros 734 casos em análise. A segunda colocada é Oiapoque, no Amapá, onde 330 pessoas contraíram a febre. Lá, agentes de endemias, bombeiros e Exército somaram esforços na tentativa de retardar a chegada do mosquito a outras localidades. Uma das medidas é parar veículos na saída da cidade para borrifá-los com inseticida. Passageiros também são obrigados a passar repelente.

Especialistas acreditam que o período de maior transmissão ocorrerá em dezembro, quando começa o verão. “O grande problema é que neste primeiro momento teremos muitos casos porque todos são suscetíveis à chikungunya”, explica Eduardo Massad, chefe do departamento de informática médica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

A chikungunya e a dengue produzem sintomas parecidos. Ambas causam febre alta, manchas vermelhas na pele, fadiga, náusea, dor de cabeça e pelo corpo. Mas há diferenças importantes. A chikungunya acomete o indivíduo uma única vez. Depois, ele se torna imune. A dengue se repete toda vez que a pessoa for infectada por um dos quatro subtipos do vírus circulantes no País.

Mais: a dengue se parece com uma gripe forte e traz dores musculares e atrás dos olhos. Já a chikungunya provoca dores intensas nas articulações que podem sumir em uma semana ou persistir por cerca de três meses. E há ainda um grupo de pessoas nas quais as dores articulares se tornam crônicas e podem durar anos.

O tratamento varia em razão dessas características. “Na dengue há riscos de sangramento e a pessoa deve ser hidratada rapidamente. No caso da chikungunya, é necessário dar atenção especial ao alívio da dor”, diz o infectologista José Cerbino Neto, vice-diretor do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro.

No começo do ano, ele foi enviado à Martinica e ao Caribe pela Organização Panamericana de Saúde para observar a epidemia que ocorre por lá. Estima-se cerca de 700 mil casos na região. Desde que voltou, ele se dedica a ensinar especialistas brasileiros a diagnosticar a febre. “É fundamental aprender a identificá-la para dar o atendimento correto”, diz a infectologista e epidemiologista Maria da Glória Teixeira, da Universidade Federal da Bahia, que foi a Brasília para um treinamento. Além do diagnóstico pelo conjunto de sintomas, há testes de sangue disponíveis na rede pública que identificam a chikungunya de 24 a 48 horas. Na semana passada, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou um teste rápido, criado pela empresa OrangeLife, que dá resultados em dez minutos. Para a médica Maria da Glória, a única forma de reduzir o impacto da nova febre é recrudescer o combate ao Aedes. “Devemos ficar atentos para eliminar os criadouros de mosquito”, diz. Uma boa chance de ficar mais atento ao combate ao Aedes aegypti será o Feriado de Finados, em 2 de novembro. Em vez de deixar nos cemitérios flores em vasinhos com água, melhor optar por flores plantadas.

Fonte: istoe.com.br

]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
As novas formas para controlar a hipertensão
Próximo post
Entenda prós e contras dos inibidores à base de anfetamina

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.