Estudo britânico "olha obesidade pelo buraco da fechadura", avalia professor

Obesidade é causada pelo consumo excessivo de açúcar e carboidrato é responsável pelo aumento da doença

Com a evolução tecnológica e o conforto gerado pelos fenômenos da urbanização e mobilidade, a obesidade não é um problema causado simplesmente pela má alimentação, mas também pela diminuição do gasto calórico ao longo dos últimos 30 anos, proporcionada pela redução das atividades diárias como caminhar até o banco, subir escadas, entre outras. Essa foi a avaliação feita pelo especialista em obesidade e professor da Universidade de São Paulo, Antonio Herbert Lancha Jr.

Na semana passada, um estudo assinado por três especialitas da Grã-Bretanha, Estados Unidos e África do Sul, publicado no BJSM (British Journal of Spors Medicine), atribuiu a culpa da obesidade ao alto consumo de açúcar e carboidratos encontrado nas dietas adotadas pelas pessoas nos últimos anos.

De acordo com Lancha, esse estudo esquece que, nos últimos 30 anos, a evolução tecnológica foi imensa e nosso gasto calórico diminuiu demais. A prática de exercícios físicos regular é uma forma de compensar o conforto que temos hoje por conta da tecnologia.

— As pessoas gastam 50% mais tempo assistindo TV nos dias atuais do que há 30 anos.

No artigo do BJSM, pesquisadores indicam que a atividade física regular reduz o risco de desenvolver doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, demência e algumas formas de câncer em até 30%, porém não promove a perda de peso, sendo irrelevante para obesidade. Lancha relativizou a informação, defendendo que o equilíbrio entre a alimentação e a prática regular de exercícios é fundamental para prevenir a obesidade e outras doenças.

— Com relação à obesidade, podemos afirmar que ela teve menor elevação por conta da atividade física regular. E a conta é simples. Reduzimos nosso gasto diário em 600 kcal. Sem a atividade física, engordaríamos 24 quilos por ano, e isso não aconteceu. As pessoas hoje em dia se deslocam muito menos. Os autores olharam a questão da obesidade pelo buraco da fechadura, mas o tema é muito mais complexo do que eles apontaram.

Para tratar a obesidade, o professor afirmou que as dietas restritivas são “insustentáveis” e indica como principais medidas a mudança de comportamento e a ação de políticas públicas de conscientização. Sobre as dietas “milagrosas”, Lancha foi enfático ao avaliar que trata-se de uma estratégia de mercado e que os problemas do sobrepeso e da obesidade estão na falta de equilíbrio entre alimentação responsável e exercícios.

— Não existe dieta ideal. O que existe é uma alimentação responsável. É preciso tratar a ingestão alimentar como tratamos o dinheiro que se ganha todo mês, economizando no consumo exagerado. Subir escadas no trabalho durante cinco dias semanais, por exemplo, torna o ser humano mais ativo.

Fonte: www.r7.com

]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
'Troca de dietas' mostra efeito negativo imediato da 'junk food'
Próximo post
Higiene íntima: identifique seu erro e adote a atitude certa para evitar infecções

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.