Rótulos de alimentos devem ter alerta para alérgicos

Indústria terá 12 meses para ajustar as embalagens ao regulamento, que deve ser publicado nos próximos dias no Diário Oficial da União

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta quarta-feira as novas regras para a rotulagem de alimentos que possuam ingredientes alérgenos (que podem induzir reação alérgica). Os fabricantes terão 12 meses para ajustarem suas embalagens ao regulamento, que deve ser publicado nos próximos dias no Diário Oficial da União.

No total, 17 alimentos estão enquadrados na obrigatoriedade. Entre eles, estão frutos do mar (peixes e crustáceos), castanhas e derivados, ovos, trigo, cevada, centeio, aveia e látex.

A determinação especifica que as informações devem ser apresentadas logo abaixo da lista de ingredientes, em caixa alta e com cor de destaque em relação à embalagem, precedidas pelo aviso “Alérgicos”.

A presença de traços de algum dos alimentos listados, que eventualmente podem ser incluídos de forma não intencional nos processos de produção e manipulação, também foi prevista pelo regulamento. A palavra “contém” indicará os casos de presença direta (quando o alérgeno é ingrediente do produto), enquanto o termo “pode conter” alertará ao consumidor sobre a possibilidade de contaminação cruzada.

A alergia alimentar é uma reação anormal do nosso organismo a alguma proteína presente na comida. O problema ocorre quando o corpo identifica como uma ameaça substâncias que, na verdade, não causam doenças, iniciando uma resposta imune para combatê-las. Segundo uma revisão de estudos publicada em 2008 no periódico Current Opinion in Pediatrics, leite de vaca, soja, amendoim, ovo, castanhas, trigo, peixes e frutos do mar são os alimentos responsáveis por 90% das alergias. Em contato com o agente agressor, o organismo cria um processo inflamatório que produz quantidades excessivas de anticorpos do tipo IgE. As reações mais comuns desencadeadas pelos anticorpos acontecem na pele e se manifestam como coceiras, urticária (manchas vermelhas na pele) e angioedema (inchaço das partes moles). Também podem aparecer sintomas gastrointestinais, como vômito, dor abdominal e diarreia ou sintomas respiratórios, caracterizados por coceira no nariz, espirro, tosse, falta de ar e chiado no peito. Ariana Yang, diretora da Regional São Paulo da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai) explica que quando há manifestação clínica de reação alérgica em dois sistemas simultaneamente, por exemplo, urticária e vômito, isso é considerada uma reação grave ou anafilática e exige uma ida ao hospital ou a aplicação de adrenalina. “Os sintomas respiratórios também são um alerta para uma reação alérgica grave, pois não são comuns em alergias alimentares, e demandam uma ação imediata”.

Fonte: VEJA

]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Pesquisa aponta que 51% dos homens nunca foram ao urologista
Próximo post
Feliz Dia dos Pais

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

Menu