Cientistas descobrem gene responsável pelos cabelos brancos

Pela primeira vez na história da genética, pesquisadores identificaram o gene responsável por tornar os cabelos brancos. Apesar de saber como o cabelo embranquece – com o avanço da idade, paramos de produzir melanina – ainda não sabíamor por que isso acontece e como deter a perda de pigmentação dos cabelos.

Os resultados prévios da pesquisa apontam que somente pessoas com descendência europeia carrega este gene, o que explica as pessoas que, mesmo envelhecendo, mantém a cor natural dos cabelos.

De acordo com os pesquisadores, entender o gene é essencial no desenvolvimento de novos tratamentos que evitem o processo de despigmentação das madeixas. “Nós já sabemos informações sobre muitos genes envolvidos na calvície ou na cor dos cabelos, mas essa é a primeira vez que identificamos o gene dos cabelos brancos”, conta um dos líderes do estudo, Kaustubh Adhikari, da University College of London.

Para chegar às conclusões, os pesquisadores estudaram mais de seis mil latino-americanos de diversas ancestralidades, da África às tribos indígenas. Escaneando o DNA destas e pessoas e comparando com as aparências deles, os pesquisadores identificaram 18 genes que parecem influenciar os pelos, incluindo a perda de pigmentação do cabelo, a espessura da barba, se os cabelos são lisos ou enrolados e se o indivíduo tem sobrancelha única.

O gene que define o embranquecer dos cabelos é chamado de IRF4. Ele já havia aparecido em outros estudos, sendo identificado com um influenciador na produção de melanina. Apesar do conhecimento prévio, esta foi a primeira vez que o gene foi relacionado à perda de pigmentação dos cabelos.

Nas conclusões do estudo, porém, os pesquisadores alertam que o gene não é o único responsável pela perda de cor do cabelo. Questões ambientais e emocionais também têm influência preponderante em relação aos pelos do corpo. “Não é porque você tem esse gene, que certamente terá cabelos brancos. Não. Este gene basicamente aumenta suas chances, se comparado às outras pessoas que não o tem”, explica Andrés Ruiz-Linares, chefe da pesquisa.

Fonte: Revista Galileu

]]>

schedule

Agende a sua consulta no Hospital Daher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Queimaduras: além de deixar marcas permanentes, elas podem matar
Próximo post
Falta estrutura para detectar alteração ocular ligada a zika, alertam médicos

Youtube Daher

Notícias Daher

share

Compartilhe:

mails

Receba nossas novidades:

    Menu

    Olá! Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

    Se continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

    FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

    AnalíticosNosso site utiliza cookies analíticos para possibilitar a análise e otimização para fins de usabilidade.

    Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

    OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.