Dr. José Carlos Daher fala ao “CNT Jornal” sobre os desafios da saúde no novo governo

O cirurgião plástico e fundador do Hospital Daher, Dr. José Carlos Daher, concedeu entrevista ao “CNT Jornal”, programa da Rede CNT, sobre os desafios da gestão do orçamento para a saúde no novo governo. Confira a reportagem completa:

Saiu na Mídia: Palavra do especialista

daher-clipping1

daher-clipping-2

Publicado em: Correio Braziliense.

Saiu na mídia: Hospital Daher é destaque em Congresso Internacional sobre Rejuvenescimento Facial

Cerca de 800 cirurgiões plásticos e médicos de Medicina Estética de várias partes do mundo se reuniram, durante uma semana em setembro, na cidade de Cannes, no sul da França, com o importante objetivo de participar do Congresso Internacional Face 2 Face. Nomes renomados e em constante busca de conhecimentos tiveram a oportunidade de trocar experiências de sucesso e debater sobre passado, presente e futuro das técnicas e equipamentos destinados ao rejuvenescimento da face.

A presença do Hospital Daher Lago Sul foi marcante no evento por ter feito a principal apresentação sobre as cirurgias do rejuvenescimento facial, na qual o Dr. José Carlos Daher mostrou toda a evolução técnica deste procedimento em sua experiência profissional, conceituando o Estado da Arte atual neste tema.

O Dr. José Carlos Daher ressaltou a evolução da cirurgia plástica estética nos últimos 40 anos. “Nos anos 70, quando eu comecei ao lado do Dr. Ivo Pitanguy, era uma época em que ninguém aceitava chegar aos 40 anos sem uma cirurgia plástica. Mas os tempos evoluíram e as formas de procedimentos complementares para melhorar a qualidade da pele têm hoje um papel preponderante que consegue manter o aspecto de juventude por mais tempo que antes, protelando as cirurgias de rejuvenescimento facial dos 38/40 anos, para os 48/55 anos.

“Existe uma tendência mundial pelos processos menos invasivos, que hoje são reconhecidos por todos os cirurgiões plásticos. Ainda que o Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital Daher opte por técnicas menos invasivas, como a platismotomia fechada (tratamento do pescoço sem descolamentos da área), adotamos também os procedimentos complementares modernos, como o Laser Spectra. Estes raios têm a propriedade do rejuvenescimento por tratamento não cirúrgico, retiram e clareiam manchas e retiram tatuagens, um dos maiores problemas enfrentados pela cirurgia plástica.

“Dentre os procedimentos menos invasivos estão os preenchedores provisórios (absorvíveis) e permanentes, que permitem acabar com todas as depressões e aumentar os volumes da face. Por exemplo, melhorar os sulcos em volta da boca, o popularmente chamado bigode chinês, aquelas linhas de expressão verticais nas laterais, que vão do nariz até a boca. Além disto, a recuperação dos volumes das maçãs do rosto ou outras áreas da face é feita em consultório, traz resultados praticamente instantâneos e não exige o pós-operatório.

“O Congresso foi muito interessante ao integrar palestrantes com diversas tendências, reunindo informações sobre o que podemos oferecer de mais seguro e eficaz aos nossos pacientes”, conclui o Dr. Daher.

Saiba mais sobre o Dr. José Carlos Daher

O início da carreira foi na década de 70, quando se formou pela então Faculdade de Medicina da Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em seguida, especializou-se em Cirurgia Plástica com o professor Dr. Ivo Pitanguy.

Tornou-se uma das referências da Cirurgia Plástica e é considerado pioneiro, nesta área, em Brasília. É autor de várias técnicas originais publicadas no país e no exterior. É membro de diversas sociedades nacionais e internacionais de Cirurgia Plástica e Mastologia, tendo sido um dos pioneiros mundiais nas técnicas modernas de reconstruções mamárias, pós-tratamento de câncer de mama.

Saiba mais sobre o Hospital Daher

O Hospital Daher Lago Sul é referência no Distrito Federal. A unidade funciona há mais de 20 anos em área nobre do DF, onde o paciente encontra toda a comodidade de que precisa. Em um mesmo lugar, centraliza atendimentos em diversas especialidades, pronto-socorro, unidade de terapia intensiva, centro cirúrgico, laboratórios, bem como procedimentos modernos e eficazes voltados para o diagnóstico, acompanhamento e tratamento das doenças. Por promover um serviço humanizado, acolhedor e seguro e, consequentemente, a saúde e o bem-estar das pessoas, o Hospital Daher agora é visto como um Centro de Hospitalidade.

Publicado em: Segs- Portal Nacional

 

Saiu na mídia: Cirurgias plásticas não visam apenas fins estéticos

clipping-daher-3

Dr. José Carlos Daher, cirurgião plástico
Conheça os procedimentos de reparação, que corrigem desde mordida até queimaduras
Diferentemente do que muitas pessoas pensam, a cirurgia plástica não tem como objetivo único proporcionar beleza e harmonia. Casos como acidentes de carro, queimaduras, unha encravada, verrugas e tumores, por exemplo, também são atendidos por cirurgiões plásticos, por meio das cirurgias de reparação. Elas têm como objetivo recuperar a funcionalidade da área afetada, buscando também a integridade do contorno corporal.
Exemplo disso é a fratura da mão. Muitas vezes o trauma ocasiona a perda da função, como a dificuldade para mexê-la normalmente. É aí que entra o setor da cirurgia reparadora, que vai buscar corrigir o problema, além de melhorar a estética do membro.
Trauma
Nos acidentes que comprometem a face, pode existir a perda de substâncias no local, além de cicatrizes e ossos quebrados. Tanto as fraturas no rosto como o revestimento da área afetada são competências da cirurgia plástica.
Durante o procedimento o cirurgião repara, em primeiro lugar, as partes moles, como músculos, gorduras, tendões e nervos, que precisam ser corrigidas nas primeiras seis horas, período em que há uma possibilidade maior de fixação. Após 12 dias, o especialista inicia a cirurgia reparadora, que pode ocorrer nos ossos, nariz, malares, mandíbulas e assoalho da órbita do olho.
O objetivo final é tentar recuperar todas as funções perdidas e também os contornos faciais originais, de antes do acidente.
Queimaduras
 
Estimativa da Sociedade Brasileira de Queimaduras aponta que pelo menos um milhão de acidentes desse tipo acontecem, por ano, no Brasil, sendo 300 mil envolvendo crianças. As queimaduras podem ocorrer por meio do fogo, energia elétrica, frio ou até radiação.
Segundo o cirurgião plástico e fundador do Hospital Daher, José Carlos Daher, a cirurgia plástica de reparação pode ajudar muito nesses casos, devolvendo a funcionalidade do local atingido, mas ela dificilmente poderá retirar as marcas. “O cirurgião pode tirar uma pequena cicatriz, mas, quando há uma grande extensão, não é possível trocar essa pele, infelizmente. A única coisa que o cirurgião pode fazer é liberar as retrações, para que o paciente possa fazer uso normal de suas articulações”, explica.
Um exemplo de como a cirurgia pode ajudar nesses casos é quando ocorre uma queimadura no pescoço, que junta o queixo ao tórax, impedindo as vítimas de levantarem a cabeça. Outro exemplo é quando as mulheres sofrem queimaduras na infância, na região do peito. Quando elas começam a crescer, a mama fica encarcerada e não se forma. Nesses casos, a cirurgia vai permitir que as funções voltem minimamente ao normal, desencarcerando a mama contida para que ela retome o seu crescimento normal.
O Dr. Daher diz que as pessoas precisam se conscientizar sobre os perigos que elas correm ao se expor a uma queimadura, como os acidentes que envolvem garrafas de álcool, que são muito comuns. “Atendi muitas pessoas que tinham se queimado gravemente ao borrifarem álcool dentro de churrasqueiras. O grande perigo é que a fagulha de fogo pode saltar e explodir o plástico, que pode se derreter sobre a pele da vítima, agravando ainda mais o problema”, adverte.
Mordidas
Quando um cão ataca alguém, instintivamente ele avança na cabeça da vítima. Com isso, costumam ser comuns nesses ataques dilaceramentos de nariz, orelha e pálpebras. A cirurgia de reparação, nesses casos, buscará recompor a parte corporal perdida, muitas vezes por meio de enxertos, juntamente à recuperação da funcionalidade.
Câncer de mama
A cirurgia de reparação dos seios, que pode ser feita no mesmo ato cirúrgico de retirada da mama, quando existirem condições técnicas e clínicas, também é um exemplo de cirurgia de reparação. Para o Dr. Daher, ela é de grande importância à autoestima das mulheres. “Segundo o psicanalista Freud, o homem possui sua identidade sexual no pênis. Já a mulher, nos seios e não na vagina, por isso a recuperação da mama deformada é fundamental para a recuperação da autoestima dessas mulheres, que já precisaram passar por um momento tão difícil, que é o tratamento do câncer. Muitas vezes, a mama fica até mais bonita do que era anteriormente”, explica.
 
Doenças
 
Patologias como a leishmaniose costumam mutilar pedaços do rosto, como o nariz, e a cirurgia de reparação costuma ser imprescindível nesses casos. “Todo mundo tem uma visão de si próprio e quer ser normal. Quando acontece alguma coisa que muda a relação do paciente com a ideia que ele tem de si próprio, pode haver um choque psicológico difícil de ser administrado, por isso as cirurgias de reparação são fundamentais, tanto para a funcionalidade normal do corpo, quanto pela autoestima desse paciente”, finaliza.

Na mídia: José Carlos Daher é convidado para ensinar algumas de suas técnicas na Itália

Rinoplastia e Rejuvenescimento Facial foram temas das palestras do especialista

Situada na costa oeste de Itália, Nápoles é a terceira cidade mais populosa do país. O lugar é reconhecido internacionalmente por sua história, arte, cultura, arquitetura, música e gastronomia. Foi nesse cenário, repleto de beleza e estética, que aconteceu, nos dias 1, 2 e 3 de outubro, o 13° Curso Internacional de Cirurgia Plástica e a segunda edição do Italo-Brazilian Meeting, que é um encontro entre os melhores cirurgiões plásticos do Brasil e da Itália, que tem como objetivo proporcionar a troca de conhecimentos entre os participantes dos dois países sobre suas técnicas.

O cirurgião plástico e fundador do hospital Daher Lago Sul, José Carlos Daher, foi convidado para ministrar duas palestras no evento: uma sobre rejuvenescimento facial e outra sobre rinoplastia. “Na minha apresentação, ensinei procedimentos menos invasivos para a plástica do contorno da face, que traz resultados belíssimos, e também uma técnica de rinoplastia menos invasiva, que pode ser feita com o nariz aberto ou fechado, e que garante melhores resultados ao paciente, uma vez que preserva e melhora a respiração”, explica.

O Dr. Daher considera o intercâmbio de informações entre os dois países de extrema importância, pois ajuda a divulgar os trabalhos desenvolvidos em cada uma das nações e diz que a palestra foi bem recebida pelos participantes. “O Brasil é líder mundial em cirurgia plástica e estética. Como esse mercado está em crescimento na Europa, com o aumento da demanda, é de grande valia esta troca de experiências. Combinamos inclusive que, em breve, o Hospital Daher irá receber italianos que queiram fazer estágio no país para aprender nossas técnicas”, revela.

Para o diretor do evento, Alfredo Borriello, o encontro possibilitou aos profissionais conhecerem duas abordagens diferentes da cirurgia plástica e permitiu que eles pudessem aprender mais sobre os avanços recentes na especialidade. “O evento contou com os recursos tecnológicos mais modernos e teve foco nas controvérsias mais atuais e relevantes da medicina estética. A discussão foi interessante e espirituosa”, conta.

HOSPITAL DAHER realiza simpósio sobre cirurgias pós-bariátrica

A cirurgia bariátrica, popularmente chamada de redução do estômago, veio como uma alternativa para quem não consegue emagrecer por meio de dietas, atividades físicas e medicações indicadas pelos especialistas. A cirurgia provoca uma total mudança no estilo de vida, e as pessoas não podem deixar de saber que, após a cirurgia, por conta da grande redução de massa corporal, a pele perde elasticidade e sobra uma grande quantidade de pele flácida. Para discutir o assunto das cirurgias pós-bariátricas, o HOSPITAL DAHER recebeu, nos dias 11 e 12 de março, o Workshop de cirurgia pós-bariátrica, organizado pelo Centro de Estudos e com a presença de cirurgiões e anestesistas especialistas na área e a equipe do hospital.

De acordo com a Dra. Marcela Cammarota, responsável pelo evento, o objetivo foi discutir os procedimentos pós-cirurgia bariátrica, levantando o que existe de mais moderno nas técnicas cirúrgicas aplicadas para esse tratamento, com cirurgiões convidados de todo o país. “As palestras foram focadas em temas sobre técnicas cirúrgicas de cada uma das regiões do corpo que tratamos: abdômen, mamas, braços, tórax e pernas”, completou a cirurgiã.

Para o Dr. José Carlos Daher, chefe da Cirurgia Plástica, a cirurgia da obesidade força o emagrecimento dos pacientes, devolvendo-lhes uma saúde que estava perdida e normalizando índices sanguíneos, causadores de doenças, como o diabetes, por exemplo. “O pós- emagrecimento leva a uma dismorfia corporal importante, pois sobram grandes “aventais” de tecido e pele magra, tanto no abdômen, quanto no torso, braços, mamas e coxas, e a cirurgia plástica se desenvolveu no sentido da cirurgia pós-bariátrica, resgatando as formas corporais normais de um paciente, agora, mais magro”, explica o cirurgião. Ele ainda conta que, para isso, a cirurgia precisou se despir do preconceito contra as incisões longas e extensas, necessárias nesses casos, e criaram técnicas para diminuir o número de atos operatórios para obter os resultados finais desejáveis.

Um dos cirurgiões plásticos que participou do evento discutindo a cirurgia de mama pós-bariátrica foi o Dr. Ricardo Baroudi, de São Paulo. A palestra dele sobre Cirurgia Plástica Estética das Mamas foi recebida com atenção pelos participantes. “Informamos de maneira bastante objetiva os conceitos e cuidados referentes ao procedimento, considerado por mim bastante difícil e laborioso na sua execução, não só pela variedade estrutural das mamas, mas pela grande quantidade de fatores que interferem na qualidade dos resultados a curto, médio e longo prazo”, conta o médico. Para ele, eventos científicos fazem parte do ensino da especialidade para trocas importantes de informações que tragam subsídios para a formação de novas gerações de cirurgiões plásticos.

O Dr. Baroudi lembra ainda que o HOSPITAL DAHER, por meio do Centro de Estudos, se volta objetivamente para o ensino da cirurgia plástica dentro dos moldes inseridos nas regulamentações da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e vem promovendo, periodicamente, eventos cada vez mais amplos e importantes com essa finalidade. “Participar como palestrante num evento desse porte não e só uma prestigiosa honra, como também uma certeza de termos nossa pequena e humilde contribuição reconhecida”, completa o cirurgião plástico.

Cirurgias plásticas combinadas resolvem vários problemas estéticos de uma só vez

Para as pessoas que estão insatisfeitas com o próprio corpo e têm vontade de corrigir várias imperfeições estéticas ao mesmo tempo, aproveitando uma única internação, uma boa notícia: é possível fazer combinações de uma só vez, sem aumentar o risco cirúrgico. Para isso, o paciente deverá estar saudável e conversar com o cirurgião plástico para saber quais são os tipos de cirurgias que podem ser combinadas.

As associações mais comuns hoje em dia são a lipoaspiração com a abdominoplastia e mamoplastia e também a ritidoplastia, conhecida como lifting facial, junto à blefaroplastia, utilizada para a correção das pálpebras.

Entre as vantagens de combiná-las estão o período único de recuperação, custos reduzidos e a rápida satisfação do paciente.

Para o cirurgião plástico e fundador do Hospital Daher, José Carlos Daher, sempre que for possível, a cirurgia plástica combinada deve ser feita, já que ela tem um custo menor e garante uma única recuperação, desde que não sejam necessárias novas intervenções. Segundo o especialista, um exemplo clássico da utilização do procedimento é a cirurgia plástica pós-bariátrica, onde os pacientes, principalmente as mulheres, que perdem medidas e contorno com as mudanças causadas pela rápida perda de peso e excesso de pele, precisam remodelar abdômen, costas, nádegas e coxas.“Os resultados são lindos. O tempo do processo cirúrgico aumenta muito pouco e conseguimos fazer quatro procedimentos em um. É muito mais barato”, aconselha.

O grande bônus das cirurgias simultâneas é o conjunto estético obtido de uma só vez, já que normalmente o paciente pensa no resultado ao procurar a ajuda de um cirurgião plástico, ignorando o processo cirúrgico que deverá ser realizado para que ele seja concretizado.

Medição de volumes em cirurgia plástica estética foi apresentada em Congresso Internacional pelo Hospital Daher

Aconteceu no Rio de Janeiro, de 19 a 22 de setembro, o 22º Congresso Internacional de Cirurgia Plástica Estética, ISAPS 2014. O Hospital Daher foi representado pelo chefe da Cirurgia Plástica, Dr. José Carlos Daher.

Ele apresentou uma pesquisa desenvolvida pelo hospital, já divulgada em outros congressos fora do Brasil, mas, pela primeira vez, em um internacional. A instituição tem desenvolvido um trabalho sobre a medição de volumes a serem injetados em cirurgias plásticas estéticas, a princípio, em procedimentos faciais.

O Dr. Daher conta que já está provado que não se recupera a jovialidade da face apenas esticando a pele, é preciso fazer o reposição volumétrica das estruturas faciais e uma das maiores dificuldades é mensurar as quantidades ideais a serem injetadas. “Desenvolvemos em parceria com o serviço de tomografia do hospital, a tomografia computadorizada, um protocolo para essa medição”, completa o Dr. Daher. Ele explica que ainda não há nada publicado neste sentido, que é mesmo uma novidade e que tem sido recebida com grande entusiasmo pelos colegas. “Nós estamos fazendo, especificamente, na face, mas pode depois ser estendido a outros membros para preencher vazios no corpo, em pessoas que sofreram acidentes, por exemplo”, completa o cirurgião.

O Congresso reuniu especialistas do mundo inteiro, mais de 40 países foram representados. Para Dr. José Carlos Daher, essa reunião de profissionais gera entusiasmo. “Todo congresso tem sempre uma pequena novidade que você vai apreender. A diversidade do pensamento é o que permite que se chegue a ideias novas, e cada um em seu canto. E um congresso internacional é o local ideal para isso”, finaliza.

Saiba como foi o Congresso ISAPS 2014 em http://www.isapscongress.org/pt-br/

Centro de Estudos do Hospital Daher: há 24 anos formando cirurgiões plásticos no DF

A especialidade da cirurgia plástica tem se mostrado como uma das mais importantes da medicina brasileira. A demanda crescente por procedimentos é uma das justificativas para isso, mas a qualidade dos cirurgiões brasileiros coloca o país na frente. Os estudos e o desenvolvimento de técnicas fazem com que o Brasil esteja na vanguarda da cirurgia plástica.

Com isso, uma das preocupações da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) é a formação de profissionais capacitados para o exercício da profissão. Alinhado com essa filosofia, o Centro de Estudos do Hospital Daher, em Brasília, oferece especialização em cirurgia plástica. O curso é reconhecido pela SBCP e dura três anos.

No Brasil, as especializações são oferecidas em hospitais públicos, entidades filantrópicas e, em menor intensidade, em serviços privados. Em Brasília, o Hospital Daher é o único da iniciativa privada que oferece a especialização em cirurgia plástica através de um núcleo voltado apenas para a formação de profissionais.

No Centro de Estudos Daher, as aulas englobam todas as áreas da especialização, incluindo procedimentos menos invasivos, cirurgias estéticas e de reconstrução. Há uma preocupação com a formação global dos profissionais. Por isso, além das aulas teóricas e práticas, o curso inclui as partes de ensino e pesquisa e divulgação de trabalhos científicos em publicações credenciadas. Ao final da formação, os alunos passam pela prova da SBCP, sendo obrigatória a aprovação para o exercício da especialidade.

As aulas práticas são ministradas no Centro de Cirurgia Plástica, que funciona desde 1980. O Centro funciona em parceria com o Departamento de Laser e Dermatologia. A ideia é unir a cirurgia plástica, a dermatologia e as facilidades do tratamento a laser em um só lugar.

Assim, é possível combinar técnicas e, com isso, melhorar os resultados dos procedimentos feitos nos pacientes. O coordenador do Centro é o Dr. José Carlos Daher, fundador do Hospital Daher. Ele é especialista em cirurgia plástica, tendo sido orientado pelo Dr. Ivo Pitanguy. Possui diversos trabalhos publicados e participações em congressos no Brasil e no exterior.

Dr. Daher ressalta a importância de investir na formação de especialistas. “O investimento da iniciativa privada na melhoria da capacitação de profissionais é um modelo que deveria ter apoio das instituições governamentais, já que é uma atividade suplementar da capacitação de profissionais em nível avançado de formação”, sugere o especialista.

Ao longo dos anos, vários trabalhos foram desenvolvidos no Centro de Estudos Daher e hoje são melhorias disponibilizadas para a população. Algumas delas são relacionadas a técnicas originais de reconstrução mamária, como o objetivo de otimizar os resultados da cirurgia.

Pela ligação do Dr. Daher com a mastologia, o Centro de Estudos Daher está em fase de planejamento de um curso de especialização em mastologia. Os recursos que financiam estes cursos são oriundos do próprio hospital e de mecanismos de contribuição criados com esse objetivo.

Brasília Rosa – artigo de José Carlos Daher para o Correio Braziliense

Leia abaixo artigo assinado pelo Dr. Daher publicado no jornal Correio Braziliense, no último dia 08 de outubro, sobre Câncer de Mama.

Em 1896, Halsted demonstrou que a amputação da mama curava ou prolongava a vida das pacientes com câncer. Salvou e prolongou a vida de mulheres. Mas mutiladas sofrem com barreiras conjugais e sociais. Em termos de linguagem corporal, a identidade feminina não está na vagina, mas em suas mamas.

Em 1962, Cronin teve a ideia de colocar próteses de material sintético na intimidade do corpo humano, especificamente para trazer volume às mamas. Em 1969, aluno de Pitanguy, tive os primeiros contatos com a técnica que ele usava largamente.

Brasília iniciou procedimentos nas prevenções e reconstruções mamárias em 1972, na cirurgia plástica do Hospital das Forças Armadas (HFA), serviço que eu implantei e chefiava. Iniciamos os grandes esvaziamentos das mamas e a reconstrução imediata com silicone. A técnica abriu caminho para os mastologistas, que passaram a retirar glândulas apenas com sinais sugestivos de câncer mamário.

O tratamento precoce dispensava a mastectomia radical, não deixava sequelas e tinha bonitos resultados. Produzimos filmes de 8mm e 16mm que apresentamos em dezenas de congressos no Brasil e no exterior. A técnica, inicialmente criticada por não garantir a retirada de 100% da glândula mamária, é hoje o dito skin sparing universalmente praticado, que acodiu Angelina Jolie.

Mas o que fazer quando faltava pele? Ainda no HFA, em 1973, atendi moça que, com casamento marcado, não tinha como contar ao noivo que, de nascimento, lhe faltava uma mama. Sem solução conhecida, propus a ela colocarmos um implante de silicone pequenino por trás do mamilo rudimentar, que seria trocado por outros gradativamente maiores. Após três cirurgias, ela tinha a mama que lhe faltava e se casou.

Reconstruí a mama daquela moça, mas não descrevi o princípio. Rodovan o fez em 1976, quando publicou sobre os expansores: pequenos sacos vazios colocados nos locais em que se quer mais pele. Eles são enchidos progressivamente e “dilatam a pele”. À semelhança da gravidez que distende o abdome e, após o parto, deixa flacidez abdominal, ao retirarmos o “expansor” preenchido, a pele que o cobria estará redundante permitindo a colocação da prótese para a reconstrução.

Mas os pacientes pós Halsted nem pele tinham para ser expandida. Aos portadores de câncer avançado, situação ainda tão comum no Brasil, só restam as grandes amputações, com ingratas cicatrizes residuais e um tórax aplainado.

Nesse enorme desafio técnico, Brasília também foi pioneira. Em 1979, Bostwick publicou técnica para trazer pele do dorso para a parede anterior do tórax. Em 4 de janeiro de 1980, reproduzi aqui essa cirurgia. Queria iniciar a década de 1980 com uma reconstrução mamária. Sonho profissional realizado.

Em 1983, Brasília foi novamente pioneira no país, ao reproduzir, pela primeira vez no Brasil, a técnica do americano Hartrampf, que levava tecido do baixo ventre aos moldes de uma abdominoplastia e os fazia chegar à parede anterior do tórax. Era uma imagem fantástica, pela abundância de tecidos que disponibilizava para reconstruir bonitas mamas. Demonstramos essa técnica em sete estados brasileiros e em dezenas de simpósios e congressos.

Finalmente, nasceu em Brasília, em 1992, a técnica original dos “retalhos em ilha das mamas”, que publiquei nos Estados Unidos. Permitia-nos reconstruir as amputações mamárias parciais nas quadrantectomias. Nós, que só conhecíamos as reconstruções totais, aprendemos a fazer as parciais, hoje usadas em todo o mundo.

Dificuldades técnicas superadas, deparo-me ainda com intermináveis filas de mulheres aguardando anos para tratamento. Nos planos de saúde, nos quais a paciente paga com recursos próprios, está cada vez mais difícil a autorização para a cirurgia. Chegam ao ridículo absurdo de autorizarem o tratamento só da mama que tem câncer e negam autorização para o indispensável tratamento da mama contralateral. Aconteceu-me recentemente.

Esta cidade pioneira, moradia do poder, bem que poderia acordar sem filas e burocracia, diminuindo amputações e sofrimentos. Aí, então, Brasília, que para mim é rosa há 41 anos, ficará definitivamente rosa para todos e para o mundo.

José Carlos Daher é Cirurgião Plástico Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Membro da Sociedade Brasileira de Mastologia, Membro Fundador da Sociedade Latino Americana de Mastologia, Fundador do Hospital Daher Lago Sul e Presidente do Sindicato Brasiliense de Hospitais.

www.dahercirurgiaplastica.com.br