Posts

Segurança em cirurgia plástica começa nos cuidados gerais

Cada tipo de cirurgia traz um risco, dependendo de sua natureza. Portanto, como qualquer outro procedimento cirúrgico, a cirurgia plástica exige premissas para diminuí-los ao máximo. Assim sendo, a segurança em cirurgia plástica começa nos cuidados gerais para o ato operatório. A saber, o médico tem obrigação de fornecer ao paciente informações claras, completas e transparentes em cada etapa do processo.  

O que determina a segurança em cirurgia plástica?

Tudo começa no pré-operatório, com a consulta e o histórico clínico. De tal forma que, de posse dessas informações, o médico vai montar o planejamento cirúrgico para o caso. A escolha de uma equipe bem preparada também é essencial para o sucesso do procedimento. Ademais, cada cirurgia plástica tem seu próprio protocolo cirúrgico — comportamentos e medidas que reduzem a ocorrência de incidentes e eventos adversos.

Ou seja, desde o princípio, trabalha-se para diminuir ao máximo as complicações que podem ocorrer durante a cirurgia. Contudo, mesmo pacientes saudáveis estão sujeitos a eventualidades imponderáveis como alergia, por exemplo. Assim, o local da operação precisa oferecer condições de atendimento emergencial em caso de imprevistos, como UTI.

Como garantir segurança em cirurgia plástica quando o paciente possui alguma doença?

Se o paciente possui alguma doença pregressa, ele precisa ser avaliado pelo cirurgião em parceria com o médico responsável pelo problema. Assim sendo, a doença precisa estar sob controle e o médico responsável precisa emitir um laudo autorizando o procedimento cirúrgico. Antes de mais nada, é preciso considerar a importância da cirurgia plástica na vida do paciente. 

É necessário que médico e paciente avaliem em conjunto o risco aumentado do procedimento. Bem como as possibilidades de complicação que a doença em questão acrescenta à cirurgia. Tudo isso, para que o paciente possa analisar o custo-benefício de realizar o procedimento. Ademais, medidas complementares serão tomadas para prevenir quaisquer imprevistos.  

Qual o papel do paciente?

O paciente é peça fundamental para garantir a segurança de seu tratamento. Quando da primeira conversa entre médico e paciente, ele precisa ser extremamente sincero sobre doenças, hábitos, histórico familiar e o que motivou o desejo da operação. Isso será complementado pelos exames a fim de esclarecer tudo o que for possível. 

Além disso, o paciente precisa seguir à risca as orientações do cirurgião para o pré e o pós-operatório. O acompanhamento regular da evolução pós-operatória também é fundamental. Afinal, os resultados finais da cirurgia plástica demoram alguns meses para serem vistos.  

O que o Hospital Daher oferece para segurança em cirurgia?

O Hospital Daher oferece ao paciente não só instalações de primeira linha, certificadas, em nível máximo, pela Organização Nacional de Acreditação, como também estrutura eficiente e agradável, com acreditação em hotelaria. Além de toda aparelhagem necessária para evitar complicações, como UTI e hemodiálise. Ademais, o pré-operatório também pode ser feito no hospital, que conta com laboratório, centro de exames clínicos e cardiológicos. 

Por fim, é certo que as cirurgias plásticas estéticas e reparadoras eletivas raramente trazem riscos intrínsecos. E, de fato, é essencial que o cirurgião plástico seja um profissional especializado e experiente. Mas isso é apenas o começo de tudo. Todo o conjunto que envolve a cirurgia — pré-operatório, equipe, instalações hospitalares, disciplina pós-operatória —   contribui para o sucesso do procedimento.